06/05/2011


Pesca amadora no MPA? É ver para crer!

O Ministério da Pesca e Aquicultura, por meio da ministra Ideli Salvatti, deu uma mostra nesta semana de que a pesca amadora não está tão perto de ser vista como "mina de ouro", de acordo com o que foi dito recentemente à reportagem da Pesca & Companhia.

Aliás, o tema, pelo visto, anda meio "esquecido".

Ao pedir a revisão da lei que diminui a cota do pescado de 400 para 70 kg e que também proíbe o uso de qualquer apetrecho na bacia do Rio Guaporé, em Rondônia, Ideli não se mostrou muito coerente com a proposta de equilibrar a pesca amadora com a profissional.

Para quem acompanha o portal Pesca & Companhia, está claro que o texto mais 'restritivo' aprovado no mês passado pela AL de Rondônia foi uma maneira desesperada que autoridades políticas e ribeirinhos encontraram para salvar o rio de ações predatórias.

Pelos números oficiais, só de pescadores 'forasteiros' com licença para pesca profissional são 60 pessoas.

Se cada pescador abatasse os 400 kg semanais que lhes eram permitidos, logo, a cada semana 24 toneladas de peixes eram retiradas daquelas águas.

Não tem rio que aguente!

A cota dos 70 kg autorizada pela nova lei ainda vai permitir que pelo menos 4.200 kg de peixe sejam abatidos por estes mesmos pescadores a cada semana.

Mais uma vez: não tem rio que aguente!

Esses números "cruéis" são apenas de pescadores de outras regiões que se instalaram por lá. Eles certamente ficam maiores se somarmos os clandestinos, os licenciados do próprio Guaporé, os amadores licenciados que abatem seus 10 kg mais um exemplar de direito, os ribeirinhos...

Os próprios ribeirinhos, antes considerados os "maiores predadores", estão reclamando: o peixe sumiu!

Está na hora da ganância de cumprir a meta de aumentar cada vez mais a produção de pescado ser revista, antes que os rios virem sim "pastos", mas sem condições de reposição do estoque.

Vão sumir turistas, não existirá mais pescado!

Falência à vista?

Segundo fontes locais, para se ter uma idéia, o turismo da pesca ainda representa 80% da economia dos municípios Porto Rolim e Pimenteiras, às margens do Guaporé.

Ainda!

No entanto, “da forma como estava a lei de pesca estadual, em poucos anos não teríamos condições sequer de garantir os 70 kg para o (pescador) profissional”, ressalta o presidente da Assembléia Legislativa de Rondônia, Valter Araújo (PTB).

Em agosto, Ideli Salvatti estará em São Paulo para anunciar o marco regulatório da pesca amadora no Brasil.

E o discurso será feito na frente de todo o setor, já que acontecerá no Pesca Trade Show.

No MPA, existe a garantia informal e projetada pela própria Ideli de um cronograma para que o documento passe "pronto" pelas mãos da presidente Dilma Rousseff em junho.

Vale lembra que recentemente "esqueceram" de mencionar a pesca amadora no importante seminário que definirá o "planejamento estratégico" e as "diretrizes" do MPA para o próximo quadriênio (2012-2015).

Dias depois (depois de nota da Pesca & Companhia), o assunto apareceu e ganhou status de grande importância.

Com tudo isso, para agosto, então, fica a expectativa...

No entanto, este repórter, que embora não seja devoto de São Tomé, quer ver para crer! 

*Lielson Tiozzo é jornalista formado pela Universidade Mackenzie (SP) e é repórter da revista e do portal Pesca & Companhia

Escrito por Lielson às 11h59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Histórico